Origem da Raça Pug

                                                                              

Origem da Raça Pug

Origem da Raça

De origem Chinesa, o Pug tem sido fiel a raça desde antes de 400 A.C Autoridades concordam que ele é de origem chinesa, o Pug foi levado à Holanda por volta do século XVI pela companhia Mercantil de Navegação Holandesa, dita Companhia das Índias, e foi bastante apreciado pelas damas da sociedade como cão de colo, onde se tornou o favorito em varias cortes real. Depois chegou à Inglaterra que o adotou e mais tarde redigiria o seu padrão. Antes, porém, no início do século XVII, já era difundido em vários países Europeus como Itália, França, Espanha e Alemanha. Sempre tido como animal de estimação da nobreza e alta sociedade, sua trajetória remonta os episódios com Napoleão Bonaparte, William the Silent, o rei da Holanda e mais recentemente o Duque de Windsor.

 o aviso de um pequeno Pug, William teria morrido nas mãos dos Espanhóis. O latido de alerta do cão avisou sobre a invasão e salvou uma vida real. O Pug tornou-se o cão oficial da corte, e o tumulo de Wiliam exibe, alem dele, seu querido cão de estimação.

Em 1860 soldados ingleses saquearam o palácio Imperial de Pequim e cães das raças Pug foram trazidos de volta para a Inglaterra. Essa foi à primeira vez desde o inicio do século XVI que os cães de qualquer grande número tinham sido interpostos fora da china. Black Pugs foi importado da China e exibido pela primeira vez na Inglaterra em 1886. Um ano antes, em 1885, o Pug tinha sido aceito para ser registrado pela American Kennel Club.

O Pug também possui também outros nomes como, por exemplo: Mops do verbo “Moppen” que significa “de aspecto franzido”, na Alemanha.

Os ingleses o batizaram de Pug ou “Pug-Dog”, isto é “coisa diminuta”, “cão diminuto”.

O nome Carlino ou Carlin foi usado pela primeira vez na França pelo aspecto cômico e curioso que lhe conferem as rugas e a pigmentação particular do rosto.

Muitos acabam adquirindo a raça alem de serem apaixonados por ela, pelo grande status, sinal de poder que ela proporciona a membros da alta sociedade.

No Brasil a difusão da raça ainda é muito pequena, mas basta que seja um pouco divulgada para demonstrar seu potencial de carisma que há muito tempo já foi descoberto pelo mundo.

Bibliografia: http://www.akc.org/breeds/pug/history.cfm

 

 

 

APARÊNCIA GERAL: decididamente quadrado e maciço, deve mostrar "multum in parvo "(muita substância em um pequeno volume), o que transparece em sua forma compacta, proporcionalidade entre as partes e musculatura firme.

 

CARACTERÍSTICAS: muito charme, dignidade e inteligência.

TEMPERAMENTO: comportamento equilibrado alegre e vivo.

CABEÇA E CRÂNIO: cabeça grande, arredondada, não em forma de maçã e sem sulco médio no crânio. Focinho curto, rombudo, quadrado, não projetado para cima. Rugas claramente definidas.

OLHOS: escuros, muito grandes, de forma globular, de expressão doce e alerta, brilhantes. Quando o cão está excitado, parecem cheios de fogo.

BOCA: ligeiramente prognata inferior. O maxilar inferior largo; incisivos inferiores praticamente em uma linha reta. Maxilar desviado lateralmente, dentes ou língua aparentes quando o cão estiver de boca fechada, são três defeitos muito graves.

 

ORELHAS: finas, pequenas, macias como veludo. Há dois tipos : orelhas em rosa - pequena e caída, dobrada para trás exibindo a face interna, - orelha em botão - caída para frente, a ponta repousando perto do crânio para esconder o orifício e apontando em direção aos olhos. Dá-se preferência a este último tipo.

 

PESCOÇO: forte, grosso, levemente arqueado para dar a idéia de uma crista, com comprimento suficiente para portar a cabeça orgulhosamente.

CORPO: curto e compacto, peito largo e com costelas bem arqueadas. Linha superior nivelada, sem arqueamento ou sela.

PÉS: nem longos como pés de lebre, nem redondos como os pés de gato; dedos separados, unhas pretas.

MEMBROS ANTERIORES: pernas muito fortes, retas, de comprimento moderado e bem colocadas sob o corpo. Ombros bem inclinados.

 

MEMBROS POSTERIORES: pernas muito fortes, de comprimento moderado com boa angulação de joelho, bem colocadas sob o corpo, retas e paralelas, quando vistas por trás.

 

 

CAUDA: enroscada. Inserção alta, enrolada sobre a anca, o mais apertado possível. Duplamente enrolada é altamente desejável.

 

ANDADURA / MOVIMENTAÇÃO: vistas pela frente, as pernas devem subir e descer bem sob os ombros, pé sempre orientados, não voltados para dentro ou para fora. Por trás, o mesmo. Usando as patas dianteiras com decisão, colocando-as bem á frente e as traseiras movendo-se com liberdade e com pleno uso da articulação do joelho. Um leve "roll" do traseiro é típico da movimentação.

PELAGEM: fina, lisa, macia, curta e brilhante, nem dura nem lanosa.

COR: prateada, abricot, castanho ou preta; cada uma delas bem definidas para fazer nítido contraste entre a cor da pelagem e o traço (faixa preta que se estende do occipital à raiz da cauda) e a máscara. Marcas claramente definidas, no focinho ou máscara e orelhas, manchas nas bochechas, o diamante na testa e o traço tão escuro quanto possível.

TAMANHO: peso ideal entre 6,3 e 8,1 kg.

DEFEITOS: qualquer desvio em relação aos pontos indicados acima deve ser considerado como falta. A gravidade da falta deve ser avaliada em função do seu grau de afastamento.

NOTA: os machos devem ter dois testículos da aparência normal, completamente descidos na bolsa escrotal.

 

 

Observação: as ilustrações que constam deste padrão foram extraídas do site: http://www.mopsklub.cz/cz/showpage.php?name=standard